Quais as Características a Avaliar num Vinho

evaluate a wineNeste artigo, desenvolve-se novamente o tema de como provar vinhos. Já se falou do papel dos sentidos no momento de degustar um vinho. Vamos agora examinar mais atentamente os diversos elementos a que esses sentidos devem estar atentos, de forma a que provar um vinho não seja como jogar android roulette no seu “smartphone” – isto é, que seja um exercício de técnica e prática, e não de azar.

Fruta

As características das castas e do “terroir” fazem com que alguns vinhos aparentem ter aroma de frutos. As marcas não acrescentam artificialmente aromas de frutos vermelhos, citrinos ou frutos secos. É da própria natureza bioquímica do líquido que surgem essas sensações que “enganam” o cérebro de quem prova – ou antes, é o cérebro que identifica esses elementos bioquímicos, presentes na fruta.

Madeira

Os barris nos quais o vinho é conservado poderão emprestar-lhe o sabor da madeira com a qual são fabricados. Se o vinho tiver estado num barril de carvalho, quando o odor chegar ao seu olfato, irá sentir nitidamente o cheiro a madeira de carvalho.

A madeira pode também influenciar a textura do vinho. Os enófilos experientes conseguem de tal modo distinguir estas subtilezas que existem diferenças entre os chamados barris de carvalho francês e americano, por exemplo.

Taninos

São estas substâncias que emprestam ao vinho a sua cor e estrutura, regulando igualmente o seu nível de adstringência. É pelos taninos que o consumo moderado de vinho pode revelar-se positivo para a saúde.

Ácido?

Um bom vinho deve conter um equilíbrio entre a acidez e o grau de álcool: a acidez ajuda à preservação do vinho e ao seu envelhecimento, mas se for em excesso torna-se desagradável.

Seco ou Doce?

Todos os vinhos contêm uma determinada percentagem de açúcar. Se for muito pequena, considera-se que é um vinho “seco”, pois irá provocar uma sensação de secura (não é por acaso que os vinhos secos são recomendados, por exemplo, para acompanhar sopas). Quando o nível de açúcar é grande, diz-se que o vinho é doce, uma vez que o próprio açúcar começa a ser percetível no paladar.